Em que cremos

Somos uma Igreja Presbiteriana reformada, membros da Igreja Presbiteriana do Brasil. Reconhecemos a Confissão de Fé de Westminster e os Catecismos Maior e Menor como fundamento de nossa fé reformada.

O Presbiterianismo tem por base 10 doutrinas consideradas as fundamentais.

A igreja crê:

1. Em um Deus Trino. O presbiterianismo crê que há um Deus Trino que subsiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Três pessoas distintas, mas um só Deus igualmente divino em eternidade e majestade, sem subordinação; A IPB. adota a doutrina da trindade e a apresenta aos seus fiéis como digna de fé.

2. Em Jesus Cristo, como sendo a 2ª pessoa da trindade. Divindade de Cristo: nós cremos que Jesus é o Deus encarnado (Jo 1.14), Alguns grupos que não aceitam Jesus como a 2ª pessoa da trindade: os mormonitas, os espíritas, os cristãos científicos, os maotanos, os budistas, os testemunhas de Jeová e outros. O presbiterianismo crê que Ele é o autor da salvação completa, perfeita, toda suficiente (só Jesus basta para a salvação) e eterna, para o homem decaído. Nasceu, morreu, ressuscitou, subiu ao céu, de onde vai voltar um dia para julgar.

3. Na Bíblia, a única regra de fé e prática, a palavra de Deus. Cremos que ela foi inspirada pelo Espírito Santo (II Pe. 1.20-21) e que podemos confiar nela como única regra de fé e prática. Cremos que outros livros a ela não se nivelam. Mas a IPB não a entroniza em seus templos. Ela não é objeto de culto como Livro. Ela vale o que contém e o que contem, é essencial para conduzir o homem à salvação em Cristo Jesus.

4. No novo nascimento dos conversos. Cremos que no momento em que a pessoa crê em Jesus como único e suficiente salvador ela é nova criatura (criação). (II Co. 5.17) – tudo se transforma. Há uma mova imagem na vida da pessoa. Cristo e o novo Senhor e o novo morador da alma (Gl. 2.20).

5. Na ressurreição dos mortos. A fé na ressurreição dos mortos está em toda a Bíblia (I Co. 15.12-19). (“Mas, agora, Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem (I Co. 15.20).

6. Na soberania de Deus. Esta é a pedra fundamental da fé Presbiteriana. A doutrina que se dá o maior respeito. A doutrina da soberania divina mostra que Deus é o Senhor de tudo. Governa tudo. Tudo saiu das suas mãos criadoras. Tudo é de Deus. E Ele reina sobre tudo. Tudo está sob o seu controle. Nada o surpreende. Nada o limita, nada o detém, nada se lhe antecipa, tudo acontece na hora própria. Deus é soberano na criação, na providência e na salvação (At. 4.24; I Tm. 6.15; AP. 1.5).

7. Na predestinação dos eleitos. É uma doutrina que decorre da anterior. São gêmeas. Como soberano e todo poderoso, Deus é Onisciente, Onipotente, Onipresente. Esses três atributos lhe permitem decretar e conhecer o que acontece. Para Deus não há presente, passado e nem futuro, mas tudo é um eterno presente. Esta é a doutrina que nos ensina que Deus nos escolheu para salvação antes da fundação do mundo e que Deus tem um povo eleito e só serão salvos os eleitos (expiação limitada) (Ef. 1.4,5,11; Rm. 8.29-30,33; MT. 24.22, 24, 31).

8. Na salvação pela graça. Cremos que a salvação é iniciativa de Deus, não do homem (Não são as obras dos homens quem os salvam. Eleição incondicional), mas são salvos para as boas obras (Ef. 2.8-10), salvação é dom imerecido – é dádiva de Deus (Rm. 6.23). Salvação não depende do homem, mas de Deus, porque é obra exclusiva de Deus. Ao homem compete aceitar, receber a salvação de Deus quando ouve o chamado pela palavra de Deus. Salvação inicia em Deus e termina em Deus. Estou plenamente certo de que aquele que começou a boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus (Ef. 1.6).

9. Na perseverança dos Santos. Esta é uma doutrina muito cara ao presbiterianismo. Não é aceita por todos os grupos evangélicos. A base da doutrina está na convicção de que Deus não muda. A criatura por Ele salva, não pode, depois, ser condenada. Também está intimamente ligada à obra redentora de Cristo. Uma vez redimido o homem, ainda que continue a errar, está redimido para sempre. Quem diz que a redenção é definitiva é o Senhor Jesus (Jo 6.37, 10; 28-29)

10. No governo representativo. A IPB adota governo representativo, por entender que o governo representativo é de origem divina instituída por Deus, reinstalando na Igreja Cristã primitiva (At. 20.17-35, I Tm. 3.2-7) e redescoberto por João Calvino. O governo é exercido por Presbíteros (docentes e regentes) (Gm. 3.18; Nm. 11.16-17). Toda autoridade na IPB é conferida pela livre manifestação da vontade dos fiéis, mediante voto.

Próximos eventos

ver todos os próximos eventos